Artigo

Tem uma ideia de negócio incrível, mas não sabe por onde começar?

Tem uma ideia de negócio incrível, mas não sabe por onde começar? Um plano de negócio bem elaborado é a chave para transformar as suas ideias em realidade e alcançar o sucesso empresarial.

Um plano de negócio é um documento estratégico que descreve em detalhe os objetivos, estratégias, análise de mercado, estrutura organizacional e projeções financeiras de uma empresa. Ele serve como um guia, ajudando-o a tomar decisões informadas e a atingir a viabilidade do seu empreendimento.

Se pretende iniciar um novo negócio ou deseja aprimorar sua empresa existente, o conhecimento em elaboração de planos de negócio é fundamental. É por isso que recomendamos frequentar o Curso Elaboração de Planos de Negócio.

No nosso curso, irá aprender as melhores práticas para desenvolver um plano de negócio sólido, desde a pesquisa de mercado até a criação de um modelo de negócio eficaz. O nosso formador experiente irá guiá-lo passo a passo, fornecendo insights valiosos e compartilhando um exemplo prático de sucesso.

Não perca essa oportunidade!  Compre já o nosso Curso Elaboração de Planos de Negócio (100% online) hoje mesmo e dê o primeiro passo em direção ao sucesso empresarial.

Para mais informações clique AQUI.

Medida Empreende XXI – Abertas as candidaturas

Já se encontram abertas as candidaturas à medida Empreende XXI desde 3 de abril de 2023.

A medida “Empreende XXI” foi criada com a publicação da Portaria n.º 26/2022 de 10 de janeiro. Cerca de um ano após a sua publicação sofreu a sua primeira alteração com a publicação da Portaria n.º 44/2023 de 10 de fevereiro.

Esta medida tem por objetivo apoiar a criação negócios, pelas pessoas inscritas no IEFP, I.P. que queiram criar o seu próprio negócio e que possuam uma ideia de negócio económico-financeira viável.

A Amibússola já tem disponível um webinar 100% online no qual dá conhecer a medida de apoio Empreende XXI, explica os apoios que esta medida concede e conclui acerca do interesse do recurso a esta medida para as pessoas inscritas no IEFP.

Clique AQUI para mais informações sobre este webinar.

Este webinar é gratuito para as pessoas que façam prova da sua inscrição no IEFP.

A Amibússola, também se encontra vocacionada para elaborar este tipo de candidaturas contando vários anos de experiência.  

Medida Empreende XXI – Apoio à criação e desenvolvimento de novos projetos empresariais

O site do Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP) informa que as candidaturas à medida Empreende XXI abrem a 3 de abril de 2023.

A medida “Empreende XXI” foi criada com a publicação da Portaria n.º 26/2022 de 10 de janeiro.

Esta medida tem por objetivo apoiar a criação negócios, pelas pessoas inscritas no IEFP, I.P. que queiram criar o seu próprio negócio e que possuam uma ideia de negócio económico-financeira viável.

Cerca de um ano após a sua publicação sofre a sua primeira alteração com a publicação da Portaria n.º 44/2023 de 10 de fevereiro.

Os períodos de abertura e encerramento de candidaturas são definidos por deliberação do conselho diretivo do IEFP, I.P. e divulgados nos sítios eletrónicos do IEFP e do startupportugal.

De salientar que desde a criação do programa (janeiro/2022) até então ainda não tinham sido abertas as candidaturas. Espera-se que, desta vez, venham a abrir muito em breve.

A Amibússola, encontra-se vocacionada para elaborar este tipo de candidaturas contando vários anos de experiência.  Preparámos para si um pequeno vídeo com a apresentação desta medida:

Classificação do risco global de branqueamento de capitais por país

O Basel AML Index é desenvolvido e mantido pelo International Centre for Asset Recovery (ICAR) no Basel Institute on Governance e constitui uma importante fonte de informação para classificar o risco global de branqueamento de capitais em 128 países.

Portugal, em 2022, encontra-se no 110.º lugar do ranking global e no 16.º lugar do ranking europeu.

No âmbito da avaliação do risco de BC/FT inerentes à localização geográfica por parte das entidades imobiliárias este índice assume particular interesse, razão pela qual passou a fazer parte dos recursos pedagógicos do nosso Curso de Branqueamento de Capitais para Entidades Imobiliárias.

O nosso Curso Branqueamento de Capitais para Entidades Imobiliárias é 100% online, possibilitando o ajustamento da disponibilidade de cada participante, encontrando-se disponível 24h/dia.

Para mais informações clique AQUI.

Curso Análise ao Glamping com base de dados atualizada

O nosso Curso de Análise ao Glamping já se encontra atualizado com a informação económica e financeira de 2021 relativa a um conjunto de empresas portuguesas do setor do glamping.

Deste modo, nos recursos pedagógicos, já pode ter acesso à informação económica e financeira dos períodos de 2019, 2020 e 2021. Mantem-se disponível uma listagem de fornecedores de estruturas de glamping.

Neste curso vai encontrar as respostas a duas questões:

  • Será que Portugal vai a acompanhar a tendência de crescimento internacional do glamping? 
  • Será uma boa oportunidade de investimento?

O curso é 100% online, podendo iniciar a qualquer momento, encontrando-se disponível 24 horas/dia.

Após a aquisição do curso este fica disponível na nossa plataforma durante 365 dias (1 ano). Este período garante o tempo necessário para a realização do curso bem como o seu acesso muito para além da sua conclusão.

Toda a informação disponível AQUI.

Nova plataforma de e-learning da Amibússola já se encontra disponível

A nova plataforma de e-learning da Amibússola já se encontra disponível. A alteração teve como principal motivação aumentar a capacidade da nossa oferta, através de novos cursos e formadores, bem como proporcionar um aumento do tempo disponível dos cursos para os nossos clientes. Os cursos, que outrora se encontravam disponíveis por um período de 30 dias após a compra, passam a ficar disponíveis, sem qualquer custo acrescido, pelo prazo de 1 ano (365 dias).

De salientar, ainda, os conteúdos web interativos e apelativos à aprendizagem desta nova plataforma.

Mantêm-se as modalidades de pagamento através de Paypal, Cartão de Débito ou Crédito, MB, MB Way, Payshop ou transferência bancária.

Lembramos que os nossos cursos são o “ponto de encontro” entre o entusiasmo pelo ensino e a prática empresarial. O resultado final é o contributo que fornecem para a criação de valor das organizações.

Faça o registo grátis AQUI. Leva apenas 2 minutos (veja no vídeo como é simples).

Ao entrar na nossa plataforma pode testar o funcionamento da nossa plataforma e verificar como a mesma é apelativa à aprendizagem.

Programa Eficiência Energética em Edifícios de Serviços

Estão abertas as candidaturas ao Programa de Eficiência Energética em Edifícios de Serviços até dia 31 de maio de 2022 (17h59m) ou até ao limite da dotação orçamental.

O programa “Eficiência energética em edifícios de serviços” abrange o território de Portugal Continental.

São beneficiários deste Aviso pessoas coletivas e singulares proprietários de edifícios de comércio e serviços do setor privado existentes, nos termos da alínea w) do artigo 3.º do Decreto-Lei 101-D/2020, de 7 de dezembro, na sua redação atual, e que exercem atividade comercial nesse edifício, incluindo as entidades que atuam na área do turismo e as entidades da Economia Social nos termos do disposto no artigo 4.º da Lei n.º 30/2013, de 8 de maio de 2013, na sua redação atual. 

O presente Aviso tem como objetivo apoiar candidaturas que podem integrar cinco tipologias de intervenção a desenvolver num edifício ou em múltiplos edifícios contemplados no mesmo Certificado Energético.

Veja o vídeo que preparámos para si!

Prevenção e combate ao branqueamento de capitais no setor imobiliário

Há muito tempo que se verificou que o setor imobiliário representa uma porta de entrada para o branqueamento de capitais. Nos últimos anos tem crescido a preocupação com o combate a este flagelo tendo sido criada legislação específica à qual os profissionais de mediação imobiliária não podem ficar indiferentes.

O Regulamento 603/2021 de 2 de julho do IMPIC , no seu artigo 11.º estabelece o dever de formação, também já previsto no anterior regulamento.

Nos ternos do artigo 11.º do supracitado regulamento os representantes legais, o empresário em nome individual, os dirigentes, o RCN e os colaboradores das entidades imobiliárias, cujas funções sejam relevantes para efeitos da prevenção e combate do BC/FT, devem frequentar programas específicos e regulares de formação subordinados às temáticas de da prevenção e combate do BC/FT.

Os conteúdos programáticos da formação devem incidir sobre disposições legais e regulamentares vigentes relativas à prevenção e ao combate ao BC/FT, nomeadamente:

  • Deveres estabelecidos na Lei;
  • Diretivas, normas regulamentares ou outras, bem como orientações, nacionais, internacionais e comunitárias, aplicáveis às entidades imobiliárias;
  • Tipos de operações relacionadas com a prática de crimes de branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e de financiamento do terrorismo;
  • Métodos e mecanismos de implementação de procedimentos de análise de risco setorial e individual para o setor do imobiliário;
  • Guias de boas práticas ou recomendações emitidas pelo IMPIC, I. P.

A Amibússola dispõe, desde 2019, um curso direcionado para os profissionais de mediação imobiliária.

O nosso Curso Branqueamento de Capitais para Entidades Imobiliárias é 100% online, possibilitando o ajustamento da disponibilidade de cada participante, encontrando-se disponível 24h/dia.

Para mais informações clique AQUI.

Estão abertas as candidaturas ao Programa Adaptar Turismo

O Programa Adaptar Turismo, visa apoiar as empresas do turismo no esforço de adaptação e de investimento nos seus estabelecimentos, permitindo ajustar os métodos de organização do trabalho e de relacionamento com clientes e fornecedores ao contexto pós-COVID-19.

O Programa Adaptar Turismo tem aplicação em todo o território nacional. São elegíveis os projetos inseridos nas atividades económicas com os CAE do turismo, ou seja:
49392 – Outros transportes terrestres de passageiros diversos, n. e. (1).
551 – Estabelecimentos hoteleiros.
55201 – Alojamento mobilado para turistas.
55202 – Turismo no espaço rural.
55204 – Outros locais de alojamento de curta duração.
55300 – Parques de campismo e de caravanismo.
561 – Restaurantes.
563 – Estabelecimentos de bebidas.
771 – Aluguer de veículos automóveis.
79 – Agências de viagem, operadores turísticos, outros serviços de reservas.
82300 – Organização de feiras, congressos e outros eventos similares.
90040 – Exploração de salas de espetáculos e atividades conexas (2).
91020 – Atividades dos museus.
91030 – Atividades dos sítios e monumentos históricos.
91041 – Atividades dos jardins zoológicos, botânicos e aquários (2).
91042 – Atividades dos parques e reservas naturais (2).
93110 – Gestão de instalações desportivas (2).
93192 – Outras atividades desportivas, n. e. (2).
93210 – Atividades de parques de diversão e temáticos (2).
93211 – Atividades de parques de diversão itinerantes (2).
93292 – Atividades dos portos de recreio (marinas) (2).
93293 – Organização de atividades de animação (2).
93294 – Outras atividades de diversão e recreativas, n. e. (2).
93295 – Outras atividades de diversão itinerantes (2).
96040 – Atividades de bem-estar físico (2).
Notas:
(1) Enquadrável desde que pelo menos 50 % da atividade diga respeito a transporte de turistas.
(2)Atividades enquadráveis, desde que desenvolvidas por empresas de animação turística e registadas no Registo Nacional dos Agentes de Animação Turística (RNAAT).

São elegíveis as seguintes despesas:

  • Custos com a requalificação, modernização e ampliação dos espaços existentes, incluindo obras de adaptação, que permitam responder a necessidades decorrentes da pandemia da doença COVID-19;
  • Aquisição e instalação de dispositivos de pagamento automático, incluindo sistemas de self-check-in e self-check-out, preferencialmente os que utilizem tecnologia contactless;
  • Custos iniciais associados à domiciliação de aplicações/softwares relevantes para o contexto subsequente à pandemia da doença COVID-19, incluindo o investimento em hardware que se afigure necessário para o efeito; adesão inicial a plataformas de comércio eletrónico; subscrição inicial de aplicações em regimes de software as a service para interação com clientes e fornecedores; criação de website/loja online/app justificada pelo contexto atual, bem como a criação e publicação inicial de novos conteúdos eletrónicos e a inclusão ou catalogação em diretórios ou motores de busca;
  • Aquisição de serviços de consultoria especializada para a adaptação do modelo de negócio aos novos desafios do contexto subsequente à pandemia da doença COVID-19, bem como para a requalificação, modernização e ampliação das instalações que daí resultar, desde que associados, no contexto da candidatura, à realização dos investimentos identificados nos pontos 1 a 3;Despesas com a intervenção de contabilistas certificados ou revisores oficiais de contas, na validação da despesa dos pedidos de pagamento, até ao valor de 15 % do valor do investimento e com o limite de 2500 (dois mil e quinhentos) euros.

Os critérios de elegibilidade dos projetos são os seguintes:

  • Ter por objetivo a realização de um investimento de valor em despesa elegível não inferior a 2.500 euros;
  • Ter uma duração máxima de execução de 12 meses, a contar da data de notificação da decisão favorável, tendo como limite 31 de dezembro de 2022;
  • Não estar iniciado à data da apresentação da candidatura;
  • Estar em conformidade com as disposições legais e regulamentares que lhes forem aplicáveis.

Legislação aplicável: Despacho Normativo n.º 24/2021

Estratégias para superar a inflação

1. Conceito de inflação

A Inflação refere-se ao processo do aumento contínuo dos preços dos bens e serviços numa economia. A medição da inflação é feita através do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC), ou seja, através do preço médio de um cabaz de bens e serviços. Em Portugal, o IHPC é calculado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

2. A importância da estabilidade de preços

A estabilidade de preços constitui o objetivo primordial do Banco Central Europeu (BCE), tal como estabelecido no Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, e o BCE forneceu uma definição quantitativa do que isso implica. O BCE visa uma taxa de inflação anual “abaixo, mas próximo, de 2% no médio prazo”, conforme medida pelo Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC).

A história mostra-nos como uma inflação ou deflação descontrolada pode ter efeitos trágicos para as economias e sociedades. Por exemplo a Hungria, após a II Guerra Mundial “imprimiu” muito mais dinheiro do que podia e a inflação “explodiu” tendo atingido a percentagem mensal de 41,9 quatrilhões. Também a Alemanha, após a I Guerra Mundial, entre 1922 e 1923, “imprimiu” mais moeda do que devia e a taxa mensal de inflação atingiu os 29.000%, ambiente esse que se veio a revelar perfeito para a ascensão de Adolf Hitler ao poder. Muitos outros exemplos poderíamos aqui referir, quer de um passado mais longínquo ou até mesmo da atualidade como é o caso da Venezuela (2.719,50%).

3. O risco de inflação é real?

O debate sobre o risco de inflação tem vindo a crescer nos últimos tempos. Recentemente, Warren Buffett disse “Estamos a ver uma inflação substancial” aos participantes da reunião anual de acionistas da Berkshire Hathaway.

Vejamos alguns indicadores estatísticos:

Taxa de inflação na União Europeia (inclui projeção)
Taxa de inflação nos Estados Unidos (inclui projeção)

O centro do debate reside na dúvida se o aumento da inflação nos próximos meses será temporário, refletindo a forte recuperação da recessão provocada pela COVID-19, ou será persistente, refletindo tanto o aumento da procura como o custo dos fatores de produção.

Os sinais de que os preços estão a subir são evidentes. A forte recuperação global da procura, impulsionada principalmente pela China, já está a pressionar os preços dos metais, alimentos e combustíveis. O cobre, um metal comum amplamente utilizado para tudo, desde residências, fábricas e telefones celulares até a transmissão de eletricidade, está a ser comercializado em ao seu nível mais alto desde 2011. Outros metais, incluindo minério de ferro e níquel, também estão a obter ganhos acentuados de preço.

A escassez temporária causada pela pandemia COVID-19 em setores como semicondutores, aço e transporte marítimo também está a ameaçar aumentar a inflação. Pesquisas comerciais sugerem que os preços dos consumos industriais estão a subir a um ritmo mais rápido da última década. Embora as empresas ainda não tenham repassado o fardo aos consumidores, elas podem ser levadas a mudar de rumo se a escassez persistir.

Por outro lado, temos a procura reprimida. As pessoas têm permanecido em suas casas há meses, o que resultou em centenas de bilhões de euros em dinheiro e depósitos bancários.

Quando os bloqueios são suspensos, espera-se que essas pessoas façam uma “farra” de gastos, comendo fora e saindo de férias – um aumento repentino na procura que as empresas atingidas pela recessão teriam dificuldade em atender. Isso levaria a uma situação em que muitos euros perseguiriam poucos bens, levando a um aumento dos preços.

De referir, todavia, que as preocupações com a inflação são maiores nos EUA do que na Europa, porque Washington injetou muito mais dinheiro na economia do que a zona do euro. A economia dos EUA também está a recuperar a um ritmo mais rápido, à medida que sua campanha de vacinação ganha força.

O aumento da inflação nos próximos meses será temporário? As opiniões dividem-se. Há quem acredite que a pressão nos preços veio para ficar, e será a nova tendência daqui para frente. Há quem acredite que a alta nos preços é temporária e vai se dissipar em breve, não havendo a necessidade de retirada de estímulos precoce.

Dentre os analistas que acreditam que o aumento da inflação não será temporário temos Michael J. Burry, conhecido por ter sido um dos primeiros profissionais do mercado financeiro a prever a crise do subprime americana; Louis Vincent Gave, sócio fundador da Gavekal, um dos maiores e mais bem-sucedidos researchs do mundo; Ray Dalio, gestor da Bridgewater Associates um dos maiores hedge funds do mundo.

Dentre os analistas que defendem o contrário temos Jerome Powell, Presidente do Federal Reserve; David Rosenberg, da Rosenberg Research, muitos anos economista chefe da Merrill Lynch; Anatole Kaletsky, também sócio fundador da Gavekal, uma das maiores research do mundo. 

Em qualquer dos casos não é expectável considerarmos a hipótese de hiperinflação, uma vez que os bancos centrais estão atentos, caso seja necessário irão intervir.

4. Estratégias para superar a inflação

Apresentamos três estratégias de investimento (médio e longo prazo) que podem ajudar a beneficiar as suas finanças com o impacto da inflação.

Investir no ouro

As commodities são uma proteção tradicional contra a inflação e o ouro costuma ser usado como um porto seguro para a riqueza durante os períodos inflacionários. Uma pesquisa do World Gold Council mostra que, entre 1974 e 2008, houve apenas oito anos em que a inflação nos Estados Unidos estava alta (5% ou mais). Durante esse tempo, os preços do ouro subiram em média 14,9%/ano, ultrapassando ativos como ações e outras commodities.

Investir no imobiliário

Os preços dos imóveis tendem a mover-se em linha com a inflação e, por essa razão, os imóveis são uma grande proteção contra a inflação. Os investidores que procuram proteger suas carteiras contra a inflação ajudaram as ações do setor imobiliário a liderar o S&P 500 nas últimas semanas. O setor imobiliário, voltado para empresas que alugam imóveis, ganhou 13% neste trimestre, mais que o dobro do ganho de 6,3% do índice de ações.

Investir no mercado de ações

Uma carteira de ações bem diversificada pode atuar como um hedge no longo prazo se as empresas forem capazes de se ajustar aos custos de consumos mais altos aumentando seus próprios preços ou mudando para consumos alternativos.