Artigo

Residências seniores vão crescer ao ritmo do envelhecimento da população

As residências seniores, vulgo lares de idosos, têm vindo a crescer em boa parte para fazer face ao aumento da procura em resultado do envelhecimento da população portuguesa.

As estatísticas mostram que no futuro este crescimento será ainda mais acentuado constituindo uma fonte de interesse para vários investidores.

De acordo com a notícia do Jornal de Negócios, no qual divulga um estudo da D&B, o negócio dos lares de idosos com fins lucrativos já representava uma faturação de 300 milhões de euros, em 2018.

Se por um lado a tendência de envelhecimento da população favorece o crescimento da procura, por outro lado, também a crescente incorporação da mulher no mercado de trabalho ajuda nesse crescimento.

A organização, funcionamento e instalação das residências seniores devem obedecer a um conjunto de condições para que possam ser licenciadas pelo Instituto da Segurança Social, I.P. e assim desenvolverem a sua atividade.

A este respeito este instituto disponibiliza no seu site o Guia Prático do Licenciamento da Atividade dos Estabelecimentos de Apoio Social.

Se estiver a pensar investir numa residência Sénior veja, também, o nosso curso prático de Elaboração de Planos de Negócio, com recursos pedagógicos exclusivos:

  • Manual de Elaboração de Planos de Negócio
  • Plano de Negócio relativo à criação de uma Residência Sénior
  • Programa em Microsoft Excel automatizado para produzir os planos financeiros
  • Manual com as notas explicativas dos planos financeiros
5 Negócios que podem lucrar com o envelhecimento da população

A população portuguesa tem vindo a decrescer desde 2010. De acordo com as mais recentes projeções do INE, a população portuguesa tenderá a diminui até 2060, para quaisquer cenários de projeção. No cenário central a população diminui de 10,3 milhões de pessoas, em 2017, para 8,6 milhões de pessoas em 2060.

Para além do declínio populacional esperam-se alterações da estrutura etária da população, resultando num continuado e forte envelhecimento demográfico. Assim, espera-se que o índice de envelhecimento, em 2060, seja de 307 idosos por cada 100 jovens.

O problema não é exclusivo de Portugal. Até 2050 o Japão espera perder 20 milhões de residentes, a China 28 milhões, a Rússia 15 milhões e, menos acentuada, a Europa (UE27 e Reino Unido) 5 milhões.

Em sentido oposto encontram-se a África, Índia, América Latina e América do Norte. Até 2050 o continente Africano terá mais 1.295 milhões de residentes, a Índia terá mais 334 milhões, a América Latina e América do Norte, terão mais 150 milhões e 75 milhões respetivamente.

Se antes a economia influenciava a demografia, há agora uma inversão dessa tendência. Daqui em diante, a melhor maneira de saber onde investir é olhar para as estatísticas demográficas, referiu Hans Rosling, considerado o guru das estatísticas.

Se olharmos para as estatísticas demográficas o cenário que podemos antever para o nosso país não augura boas notícias para os negócios. Seremos menos, mais velhos e os problemas que daí advém já são conhecidos.

Neste contexto será prudente equacionar a hipótese de abandonar alguns negócios para eventualmente dar lugar a outros. Identificamos cinco setores de atividade cujas estatísticas favorecem o seu crescimento: residências séniores; apoio domiciliário; serviços de saúde; turismo sénior e agências funerárias.

Não se esqueça que, em qualquer dos casos, é prudente auxiliar a tomada de decisão através da realização de um plano de negócio.

Se precisar de formação nesta área veja o nosso curso prático de Elaboração de Planos de Negócio, com recursos pedagógicos exclusivos:

  • Manual de Elaboração de Planos de Negócio
  • Plano de Negócio relativo à criação de uma Residência Sénior
  • Programa em Microsoft Excel automatizado para produzir os planos financeiros
  • Manual com as notas explicativas dos planos financeiros